APELO A COMUNICAÇÕES – Conferência Videojogos


Junte-se a nós nos dias 23 e 24 de Novembro para a Conferência de Ciência e Artes dos Videojogos. Este evento pretende aliar as contribuições da academia e da indústria, para estabelecer um campo comum no estudo dos jogos. A conferência será organizada pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e pela Sociedade Portuguesa de Ciência dos Videojogos (SPCV). O seu principal objetivo está relacionado com a promoção da cultura científica, da investigação e da indústria dos videojogos em Portugal, enfatizando diferentes áreas:

Arte, Estética e Design de Jogos Digitais Ludologia Desenvolvimento de Jogos Aprendizagem baseada em jogos Imersão e presença nos videojogos

A Conferência de Ciência e Artes dos Videojogos terá lugar na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias – Lisboa, e contará com alguns dos mais proeminentes trabalhos de investigação na área, bem como alguns dos mais relevantes keynote speakers.

Prazos:

Submissão de artigos: 15 de Outubro de 2017

Notificação de aceitação: 5 de Novembro de 2017

Mais informação aqui: http://vj2017.ulusofona.pt/

Videogames2017 – Call For papers




APELO A COMUNICAÇÕES

Junte-se a nós nos dias 23 e 24 de Novembro para a Conferência de Ciência e Artes dos Videojogos. Este evento pretende aliar as contribuições da academia e da indústria, para estabelecer um campo comum no estudo dos jogos. A conferência será organizada pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e pela Sociedade Portuguesa de Ciência dos Videojogos (SPCV). O seu principal objetivo está relacionado com a promoção da cultura científica, da investigação e da indústria dos videojogos em Portugal, enfatizando diferentes áreas:

-Arte, Estética e Design de Jogos Digitais

-Ludologia

-Desenvolvimento de Jogos

-Aprendizagem baseada em jogos

-Imersão e presença nos videojogos

A Conferência de Ciência e Artes dos Videojogos terá lugar na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias – Lisboa, e contará com alguns dos mais proeminentes trabalhos de investigação na área, bem como alguns dos mais relevantes keynote speakers.

Prazos:

Submissão de artigos: 15 de Outubro de 2017

Notificação de aceitação: 5 de Novembro de 2017

Mais informação aqui: http://vj2017.ulusofona.pt/

CALL DE ARTIGOS | REVISTA MEDIAPOLIS | “MEDIA, COMUNICAÇÃO E GÉNERO”


De entre a diversidade de discursos dissonantes hoje veiculados pelos media, é comum ler-se ou ouvir-se falar de como a condição das mulheres sofreu progressos consideráveis, dentro e fora da esfera privada, ao mesmo tempo que o imaginário mediático povoa o espaço público de imagens que sexualizam intensamente as mulheres. Dados acerca da enérgica feminização de um extenso rol de profissões, incluindo das profissões dos media e da comunicação, convivem com evidências das desigualdades salariais entre homens e mulheres, dos desequilíbrios no acesso a posições de poder e de liderança nas organizações e da conciliação com a vida familiar.

Casos de assédio e de violência sexual granjeiam facilmente uma visibilidade sem precedentes por via da internet e das redes sociais que, simultaneamente, normalizam a objetificação das mulheres através de representações importadas da pornografia e padrões de atratividade que servem diferentes indústrias. Comuns são também os discursos que, ao galvanizarem a ideia de escolha pessoal e de autodeterminação, reprivatizam questões de ordem pública, resgatadas ao longo do tempo da esfera pessoal e íntima para que o pessoal pudesse ser político. Frequentes são ainda as visões contraditórias do feminismo, ora dado como garantido, ora desconsiderado. O que esta paisagem desarmónica suscita é a premência de uma investigação de matriz feminista, que permita problematizar, a partir de uma perspetiva de género, não apenas a produção, o consumo e as representações veiculadas pelos media, como, também, pela comunicação organizacional, pelas relações públicas ou pela publicidade no atual ecossistema mediático.

Este é o desafio que a edição número 7 da Mediapolis pretende lançar, criando um espaço de discussão sobre Media, comunicação e género, preferencialmente alimentado por investigações empíricas originais, que questione o género e as suas intersecções com outras particularidades identitárias e linhas de investigação que a diversidade das múltiplas profissões da comunicação permite, ao mesmo tempo que auxilie o conhecimento e a compreensão do espaço público comunicacional lusófono.

Aceitamos contributos em vários domínios da relação media-comunicação-género, incluindo:

1) Género, produção e consumos;

2) Género e representações mediáticas;

3) Género e sexualidades;

4) Ciberespaço, redes sociais e ativismo;

5) Diferenças de género e profissão;

6) Género, cultura e identidade profissional;

7) Media e violência de género;

8) Sexualização, comércio e género;

9) Género e audiências ativas.

Os artigos deverão ser enviados até ao dia 15 de janeiro de 2018 para o endereço rev.mediapolis@gmail.com, indicando no assunto: Call Mediapolis. Deverão seguir as normas de publicação, que podem ser consultadas no seguinte link.

A Mediapolis – Revista de Comunica­ção, Jornalismo e Espaço Público é uma revista do Grupo de Investigação de Comunicação, Jornalismo e Espaço Público (GICJEP), do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20), da Universidade de Coimbra.

Com a presente edição, pretendemos dar relevo público a um projeto de investigação que reúne um grupo de investigadores de várias áreas disciplinares, mas que encontram nas Ciências da Comunicação o seu polo comum de estudo e pesquisa. O projeto assume como principal preocupação a investigação da comunicação, do jornalismo e do espaço público, não como áreas disciplinares e de saber estanques, mas como problemáticas socialmente relevantes e relacionadas, numa perspetiva científica e crítica.

Novo projecto aprovado: MIA – Media in Action




O MIA – Media In Action foi um dos dois projetos aprovados para financiamento pela Comissão Europeia, no âmbito do call for proposals “Media Literacy For All” Pilot Project.

Tem como objetivos o desenho e condução de ações de formação para professores e formadores, nas áreas da educação para os media, com especial incidência nas notícias e no storytelling. O consórcio é coordenado pelo Pontydysgu, centro de investigação sediado em Gales, tendo como IR Angela Rees. Da equipa europeia fazem ainda parte o CICANT, com coordenação de Maria José Brites, docente na Universidade Lusófona do Porto e pós-doutoranda do CECS-UMinho. Os restantes parceiros são o Grupo Comunicar (Espanha), a Cooperativa Nuova Dimensione (Itália) e o Knowledge Innovation Centre (Malta).

Chamada de propostas: Revista de Comunicação e Linguagens 48: Cidades do Futuro


Falar sobre as cidades do futuro pressupõe reconhecer os desafios que o espaço urbano já apresenta. As razões são múltiplas e inescapáveis. Veja-se como as tecnologias da informação e comunicação transformaram radicalmente a forma como as cidades são (re)projectadas, reconhecidas e apropriadas. Revelam-se, entre outros traços, a precariedade do trabalho, a insustentabilidade do estado social, o aumento de fluxos migratórios e de mobilizações sociais, agudizam-se novas formas de conflito. E, de uma maneira ainda mais global, instabiliza-se a sustentabilidade do ambiente natural do planeta.

A cidade, espaço onde múltiplos territórios coexistem e se entrelaçam, conduz agora como nunca a uma crescente ambiguidade entre os domínios público e privado, entre o real e o virtual. Mas é também neste momento, com a Terra entretecida nas malhas do ciberespaço, toda ela perscrutada e cartografada, que se descobre a natureza reticular do espaço. Mas descobrir a rede é também perceber o mundo na sua finitude e impossibilidade da expansão. Até o armazenamento na cloud pressupõe servidores, e esses estão em terra. É justamente esta a grande ansiedade do século XXI, o limite da extensão e da exploração num momento em que a população mundial ultrapassa já os 7 mil milhões de habitantes. O movimento Smart City parece nascer para gerir o espaço urbano diante de tal desafio.

No próximo número da Revista de Comunicação e Linguagens pretende-se reunir um conjunto transversal de discursos e ideias e fazê-los convergir num debate onde se cruzam os desafios ao futuro das cidades e as potencialidades das cidades do futuro. Há um certo sentido de urgência, especialmente insistente nesta questão já que envolve toda a Terra. A Smart City deve ser por isso tomada enquanto programa politicamente orientado e não apenas enquanto cosmética.

Eixos Temáticos:

1. Sistemas sustentáveis e desenvolvimento

2. Governamentalidade e gestão de território

3. Espaço público, média e movimentos sociais

4. As cidades do futuro na literatura e no cinema

5. Cultura contemporânea e tecnologias

Os artigos serão sujeitos a revisão cega por pares e deverão ser enviados, com observação estrita das regras de submissão em vigor, através da plataforma OJS até ao dia 26 de setembro de 2017.

Condições de submissão de Propostas e Instruções para autores:

http://www.fcsh.unl.pt/rcl/index.php/rcl/about/submissions

Coordenadora da edição:

Catarina Patrício – FCT Post-Doctoral fellow at CECL- CIC.Digital pólo FCSH-UNL and Assistant Professor at ECATI-ULHT

A RCL – Revista de Comunicação e Linguagens é uma publicação semestral do Centro de Investigação em Comunicação, Informação e Cultura Digital (CIC. Digital pólo FCSH/NOVA) da área das Ciências da Comunicação, criada pelo Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens (CECL) da Universidade Nova de Lisboa em 1988. Os seus principais objectivos são: contribuir para o enriquecimento da investigação científica interdisciplinar no campo da comunicação e da cultura; promover o encontro da investigação nacional e internacional dentro dos melhores padrões de qualidade cientifica; fornecer informação e linhas de orientação diversificadas e actualizadas a quantos se encontram ligados ao ensino e à investigação das ciências da comunicação.

O registo no sistema, e posterior acesso ou autenticação, é obrigatório para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso.

A Revista de Comunicação e Linguagens está incluída nos catálogos LATINDEX e ProQuest / CSA (Cambridge Scientific Abstracts).
Revista de Comunicação e Linguagens | ISSN 2183-7198

Formação de Professores GamiLearning – Média, Educação e Jogos Digitais

[Actualização:
Todas as vagas para a Formação de Professores Média, Educação e Jogos Digitais – no âmbito do projeto GamiLearning, estão já preenchidas! Todos os que se inscreveram já receberam ou vão receber brevemente um email da organização.]
O Projeto GamiLearning (UTAP-ICDT/IVC-ESCT/0020/2014), financiado pela FCT, ao abrigo do ​Programa UTA|Portugal, visa o desenvolvimento das dimensões crítica e participativa da literacia mediática​ em crianças dos 9-12 anos​, através da construção de jogos digitais. Neste âmbito, estamos a promover uma Formação de professores gratuita e certificada pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua – Ministério da Educação – com atribuição de 1,4 créditos. Público-alvo: Professores, monitores e outros profissionais de contextos educativos formais e não formais. Datas: De 28 de Setembro a 28 de Outubro de 2017 às 5ª e 6ª Feiras, em horário pós-laboral e aos Sábados. |Calendário da Formação| Local: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias – Campo Grande 376, 1749-024 Lisboa Número total de horas de formação: 36h |Programa da Formação| Formadores: Conceição Costa Carlos Santos José Carlos Neves |Ficha de Inscrição| Mais informações ou esclarecimentos através do e-mail gamilearning@ulusofona.pt

Professora da Lusófona colabora no relatório Media Landscapes



Carla Martins e Fernando Correia são os autores do relatório sobre Portugal do projeto Media Landscapes – Expert Analyses of the State of Media, do European Journalism Centre, em parceria com o ministro holandês da Educação, Cultura e Ciência.

Diretora do mestrado em Jornalismo, Política e História Contemporânea da Lusófona, Carla Martins assina este análise com o anterior professor e Diretor da Licenciatura em Comunicação e Jornalismo, Fernando Correia, agora dedicado à escrita e investigação. Uma parceria que se iniciou há mais de uma década.

O Media Landscapes regressou recentemente com site novo e dados atualizados. Um total de 26 especialistas analisa as paisagens mediáticas de 20 países.

Os capítulos apresentam uma perspetiva macro do sistema mediático de cada país, desde a evolução histórica, aos principais players nas diversas plataformas, passando pela identificação de associações, sindicatos e instituições de ensino (entre as quais se inclui a Universidade Lusófona).

Segundo os promotores, o Media Landscapes constitui um recurso imprescindível para estudantes, investigadores, comentadores e, claro, jornalistas.

O site do Media Landscapes pode ser consultado aqui.